O capoeirista baiano Manoel dos Reis Machado, mais conhecido como Mestre Bimba, é o homenageado do Doodle do Google nesta sexta-feira (23), dia de seu aniversário. Nascido em 23 de novembro de 1899, em Salvador, Mestre Bimba foi o criador da Luta Regional Baiana, que mais tarde veio a ser chamada de capoeira regional. Ele morreu aos 74 anos, em Goiânia, em 5 de fevereiro de 1974.

Uma mistura de artes marciais, acrobacia, dança e música, a capoeira é praticada no Brasil há centenas de anos. O Doodle de hoje celebra Manuel dos Reis Machado, ou Mestre Bimba, o mestre que legitimou a capoeira e fundou a primeira escola do mundo para promover este estilo de artes marciais afro-brasileiras.

Mestre Bimba nasceu em Salvador, capital da Bahia, neste dia de 1899 como o mais jovem de 25 filhos e filho de um batuque campeão, outro jogo de luta brasileiro. Seus pais o chamavam de Manuel dos Reis Machado, mas todos o chamavam de Bimba. Ele trabalhou em vários biscates - estivador, carpinteiro e minerador de carvão - antes de dedicar sua vida à sua verdadeira paixão pela capoeira.

Desenvolvida por ex-escravos, a Capoeira foi proibida pelo governo brasileiro por muitos anos. “Naquela época, quando se falava em capoeira, era em sussurros”, lembra Bimba. “Aqueles que aprenderam capoeira só pensaram em se tornar criminosos.”

Como o estudo das artes marciais foi proibido por lei, a música foi adicionada para disfarçar as poderosas técnicas de luta como movimentos de dança. Desenvolvendo seu próprio estilo, conhecido como capoeira regional, Mestre Bimba instituiu um rigoroso conjunto de regras e um código de vestimenta. Em 1928 foi convidado a demonstrar seu estilo de capoeira para Getúlio Vargas, então presidente do Brasil. O Presidente ficou tão impressionado que deu permissão a Mestre Bimba para abrir a primeira escola de capoeira em sua cidade natal, Salvador, dando a essa arte marcial única um novo senso de legitimidade. Em 2014 a capoeira foi reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO, que a saudou como uma das manifestações populares mais expressivas da cultura brasileira.