Na seara dos testes do FMS, podemos elencar 6 dos 7 testes para avaliar o corredor. 
Agachamento Profundo - “Deep Squat’’: avalia a mobilidade e estabilidade funcional bilateral e simétrica do quadril, joelho e tornozelo. É possível identificar alguma limitação nas extremidades inferiores, como por exemplo uma dorsiflexão de tornozelo. Excelente teste para avaliação de controle neuromuscular, exigido muito na corrida. O agachamento é um dos movimentos mais comuns e mais utilizados, principalmente nos esportes de potência, largamente visto como um excelente exercício para a melhora destes.


Passo Por Cima da Barreira - “Hurdle Step”: um dos mais importantes testes, é o que identifica se existe alguma compensação ou assimetria durante a passada.  Este exercício exige coordenação e estabilidade dos quadris, trabalha a mobilidade de tornozelo e de joelho. É um teste essencial para a locomoção e para os movimentos que exigem aceleração, como a corrida. Este teste visa avaliar também estabilidade de core, pois se identificada exacerbada movimentação nos membros superiores durante a passada, constata-se um desequilíbrio por falta de estabilidade. Na corrida exige-se estabilidade entre os quadris, na sua execução um quadril sustenta o peso do corpo e o outro se movimenta livre, logo é preciso de harmonia no movimento para que não haja risco de lesões ou compensações.

                                                                          
Avanço em Linha Reta - ‘’Inline Lunge’’: teste que avalia componentes de exercícios de desaceleração e mudanças de direção, funções muito coerentes com a prática da corrida. Exige também mobilidade de tornozelo, joelho e quadril. Avalia flexão de joelho, identificando possíveis problemas durante a passada. Implica em um complexo movimento de estabilização de tronco por ser um teste que possui padrões de movimentos alternados. Por fim, excelente teste para avaliar a flexibilidade de quadríceps e estabilidade do joelho.
Mobilidade de Ombro - “Shoulder Mobility”: este teste identifica a harmonia dos membros superiores, principalmente a sua relação com a região torácica e lombar, durante os movimentos dos ombros. É sabido que, na corrida, ombros protusos ou muito rígidos podem influenciar diretamente na técnica, logo é preciso de um relaxamento dos membros superiores, incluindo uma harmonia entre os ombros, região torácica e lombar para uma técnica mais natural e adequada sem gerar compensações a fim de evitar também perda de performance. Como exemplo, podemos observar um velocista, que utiliza muito a biomecânica dos ombros para incrementar velocidade em um curto espaço de tempo.


Elevação Ativa Da Perna Estendida - “Active Straight Leg Raise”: tem como propósito identificar a mobilidade ativa do quadril flexionado e a estabilidade do core. O segredo neste teste está no glúteo máximo, na banda iliotibial, e nos músculos isquiotibiais, que é o grupamento muscular que tem mais probabilidade de resultar em limitações para a flexão, além de trabalhar a flexibilidade do gastrocnêmio/sóleo e todas as musculaturas exigidas na corrida. É muito importante, pois identifica também o grau de amplitude/extensão do quadril, lembrando que muita flexibilidade durante a corrida pode não ser tão benéfica, devido à perda de potência durante a passada.cápula em vários planos e em movimentos que combinam as extremidades inferiores e superiores. Uma compensação na pelve pode acarretar uma corrida ‘’desorientada’’, o quadril pode estar encurtado e haver uma compensação, fazendo o atleta correr ‘’torto’’. 


Os benefícios de utilizar estes testes para seu aluno/atleta é uma avaliação INDIVIDUALIZADA, que irá dar ao treinador/professor uma base para identificar limitações e pontos fracos a serem corrigidos dentro do seus padrões de movimento funcional, criando um plano ESPECÍFICO de reprogramação de movimento e a partir da melhoria dele, uma introdução no trabalho de força. O FMS dá mais segurança ao aluno e garante ao professor muita eficiência na hora de prescrever os exercícios; sabendo das limitações musculares e funcionais do seu aluno é possível criar uma metodologia adequada e eficiente para a correção dos seus movimentos e suas assimetrias. Em ambos os testes ficou evidenciada a importância do tornozelo, joelho, quadril e core para a prática da corrida, proporcionando uma harmonia entre estes e visando uma vida esportiva mais duradoura e sem riscos à saúde.  FMS é ciência, saúde e segurança. É avaliar, proteger, corrigir e desenvolver.

 

Damian Souza - Atleta e Educador Físico