• MAR
  • 23
  • 2018
Adriano Tambosi - FISIOTERAPEUTA

Após estudo de metanálise divulgado pelo British Journal of Sports Medicine (BJSM) no ano passado diversas pessoas estão distorcendo as informações sobre a utilização do FMS. Entenda agora sua aplicação clínica!

O Functional Movement Screen é uma ferramenta que avalia padrão de movimento e não tem entre seus princípios, realizar diagnóstico, por isso chamamos de triagem do movimento. A ideia de utilizarmos, por exemplo, o FMS como critério de alta para pacientes pós-cirúrgicos é equivocada, mas pode ser uma análise muito útil e complementar caso você queira identificar quais as compensações nos padrões dos movimentos que esse paciente apresenta e assim trabalhar para que o corpo funcione dentro de um padrão mais seguro e correto. 

Indivíduos que apresentam baixo nível de funcionalidade podem gerar lesões crônicas como lombalgias e tendinopatias. Lesões que acometem por dor mecânica, por padrão de movimento compensatório entre outras. Quanto às lesões agudas, não há correlação alguma. 

Além de minimizar os erros, as análises dos resultados do FMS traz uma visão global da condição atual do individuo relativo à sua capacidade de movimentar-se com qualidade.

Portanto o FMS quanto usado para fins de identificar padrões de movimentos compensatórios que possam nos direcionar de maneira mais assertiva na escolha dos exercícios a serem aplicados, torna-se uma excelente ferramenta prática, rápida e fidedigna.